“A garota Ocidental: entre o coração e a tradição” (2016)

Assistam!!! Assistam!!! Assistam!!!
Imagine sair do cinema completamente arrepiado, emocionado, extasiado, e a pessoa que te acompanha se mostra frustrada e decepcionada. Foi o que aconteceu na sexta-feira, dia 11, comigo e com João, meu marido. Eu amei o filme “A garota ocidental: entre o coração e a tradição”, premiado no Festival de Toronto em 2016, do diretor Stephan Streker. E ele odiou.
É um filme seco e lento, sem trilha sonora que o encorpe. Entretanto, essa escolha, a meu ver, provoca o esperado: a intensificação da carga dramática enfrentada pela personagem principal. Tudo é dito no quase não-dito, que se expressa por meio dos implícitos descortinados nos rostos de todos os personagens após pequenos diálogos.
O filme nos leva a refletir sobre as diferenças culturais, que devem ser respeitadas, mas, mais especificamente sobre os direitos do indivíduo em relação às imposições das tradições. É bem complexo o tema! A vida de cada um de nós se constrói sob valores familiares, sob as tradições e aspectos culturais de um povo e, ainda para alguns, sob os preceitos religiosos que a família segue e nos quais acredita. No entanto, em determinadas situações, esses valores podem esbarrar nos desejos individuais e criar verdadeiros impasses entre o que se quer e o que se tem de seguir. “Noces”, título original do filme, possibilita várias discussões temáticas, mas a principal delas pode ser resumida em uma visão transmitida à protagonista, Zahira, por sua irmã mais velha: “É claro que a vida é injusta. Somos mulheres.” Afinal, o corpo da mulher é sempre de vários homens (pai, irmão, marido…), menos dela própria.
Embora o fechamento seja previsível (uma das reclamações de João), ele é tristemente coerente com toda a realidade que se abre aos nossos olhos. Até que ponto o ser humano, ou melhor, alguns seres humanos devem se cercear, se castigar, se reprimir em prol de um coletivo? Qual o peso e o preço das decisões que você toma para sua vida e pela sua cabeça? Até que ponto você é livre para decidir? Até que ponto suas decisões interferem (seriamente) na vida do outro? E mais: até que ponto o outro tem direito de interferir na sua liberdade?
O mais interessante é que o grito de Zahira não é um grito de rebeldia pela rebeldia, de uma jovem de 18 anos que se acha onipotente e precisa se rebelar contra tudo e contra todos. O grito de Zahira vem carregado de fé (ela pratica, onde estiver, seus costumes religiosos), de amor à família (ela não quer vê-los sofrer), de respeito a tudo o que aprendeu e ao que a constituiu como um ser pensante (seu bebê só tem alma a partir do 3o mês, mas ela já o ama desde a fase embrionária). O grito de Zahira é o grito da vida, da súplica por oxigênio, da sobrevivência básica de um ser humano que se entende como gente, e não como uma marionete nas mãos dos outros. O grito de Zahira é o grito de milhões de mulheres do Oriente, mas também do Ocidente. Mulheres abandonadas, usadas, abusadas, rotuladas, criminalizadas e discriminadas por escolherem ser livres.
noces-980x0
(Filme produzido pela Bélgica, França e Paquistão. Agora, no Rio de Janeiro, só está passando em uma sessão no Estação Net Rio em Botagogo. Vejam correndo antes de sair de cartaz!!!)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s