Hello, Privilege. It’s Me, Chelsea. – documentário Netflix

Uma nova produção da Netflix traz Chelsea, humorista americana que enriqueceu com seu trabalho, discutindo o privilégio branco. Ela foi considerada, anos atrás, uma grande influenciadora pela revista Time. E é por isso que considero a produção importante nesse momento. Essa figura pública – embora não com a mesma força para os brasileiros – poderá “cutucar” mais pessoas brancas e levá-las/levar-nos a refletir sobre seus/nossos privilégios.

O documentário começa mostrando a riqueza e o conforto conquistados pela humorista em sua carreira. Ressaltaram logo aos meus olhos, porém, os funcionários (empregada doméstica, jardineiro e, mais a frente, motorista) de Chelsea com características bem diferentes dela, que é branca, loira, de olhos claros. A meu ver proposital, a apresentadora está se expondo para expor o privilégio de muitos e mexer nas estruturas principalmente dessas pessoas que a seguem.

Com incômodos iniciais das verdades que precisam ser ditas e repetidas (para, mais do que enxergarmos, assimilarmos que as diferenças não estão distantes de nós, mas se fazem presentes em todos os instantes de nossas vidas e precisamos assumir papel de real mudança), a produção trouxe histórias fortes, que emocionam e mexem, mas que também precisam ultrapassar essa etapa e virar ação real de brancos. Afinal, como foi dito por W. Kamau Bell à Chelsea,

as pessoas precisam entender que o racismo não é um sentimento. Não é uma emoção…

Logo no início, Chelsea – e consequentemente qualquer um de nós, brancos, que têm assumido essa busca por uma conscientização – é enquadrada por um membro do grupo de alunos da USC, no evento “Noite do Palco Aberto”. Ele diz:

Uma das coisas que percebi ao debater sobre privilégio branco é que sempre acaba sendo sobre a experiência das pessoas não brancas. Chega aqui, para aqui e nunca se fala sobre a branquitude. E eu acho que quando você pergunta “o que eu posso fazer?” ou “o que ‘nós’, a coletividade que se identifica como brancos, podemos fazer?” (a resposta dele) é aprender sobre os outros, mas também aprender sobre si mesmos.

Assumo – ouvindo essas palavras, vivendo o que tenho vivido e lendo o que tenho lido – que é chegada a hora de nós, brancos, entendermos que o que conquistamos está carregado de privilégios, sim. Isso não significa menosprezar ou anular nossas batalhas individuais para conquistar esta ou aquela posição na sociedade em relação a outros semelhantes (na maioria das vezes tão brancos quanto), mas ter consciência de que minhas/nossas lutas têm menos barreiras ou entraves simplesmente porque somos brancos. E, se isso não é justo para com os não brancos, considero também indigno para nós, que o somos. Pense comigo: quando entendo que a concorrência para mim não está em pé de igualdade da concorrência para eles, minhas vitórias passam a ter um sabor diferente. Como posso vibrar, comemorar intensamente, se minhas vitórias não têm a justiça de uma balança equilibrada? A meu ver, minhas vitórias deixam de ter o mesmo valor porque não concorri com todos que poderiam fazer parte desse processo por uma questão maior: desigualdade de oportunidades e racismo estrutural.

Acho que outros dois membros do mesmo grupo já mencionado apresentam essa ideia quando afirmam para Chelsea:

Vc está usando o seu privilégio branco. E o que vai fazer com isso além de entrar nesse espaço e assumi-lo?

.

Existe um jogo diferente que nós temos de jogar e existe uma situação diferente na qual nossas vozes ficam limitadas.

Uma das partes que mais me tocaram foi a conversa da humorista com uma professora universitária. Carol Anderson diz a Chelsea:

Brancos precisam conversar com outros brancos sobre qual é a história verdadeira e quais são as consequências verdadeiras. São conversas difíceis porque isso é reorganizar a história de um povo. Você está reorganizando histórias pessoais. É como bater no fundo da identidade de uma pessoa. E aí é onde está a reação adversa, é onde reside o mecanismo de defesa.

Precisamos entender os erros do passado para não repeti-los, mas também para não os matermos com disfarces. Eles aparecem muito nos pequenos detalhes de nossas ações diárias. Uma das mulheres entrevistadas, uma politica conservadora da Califórnia que nega o privilégio negro, percebe, numa situação relatada por Chelsea, que há diferença e demonstra isso. Então, confrontada por outra conservadora de seu grupo que não gosta da reação, ela se refaz com um jogo de palavras para continuar negando a existência, mas não mais consegue negá-la, de fato, por inteiro:

Concorda que o privilégio negro existe? (pergunta a colega incomodada) Não. Eu concordo que o desprivilégio negro existe.

Como professora, branca, com total consciência de inúmeros privilégios que sempre tive, fecho essa publicação com as palavras da Professora Carol Anderson à Chelsea:

O mais importante é que você não está dizendo somente ‘Eu sei disso’.Você está vindo em busca de conhecimento. E começar pensando em como você chegou aqui é absolutamente essencial. Isso tem a ver sobre como o sistema tem criado vencedores e perdedores, independentemente do que eles fazem. E é assim que ele tem redistribuído oportunidades: baseado em nada. Nada além do privilégio.

Sou parte disso tudo. Quero fazer parte dessa mudança. E as perguntas que tenho me feito ultimamente quando preparo minhas aulas são:

1. Como posso fazer a diferença, como professora, na vida de meus alunos pretos e pardos?

2. Como posso fazer a diferença na vida deles também a partir da diferença que fizer na vida de meus alunos privilegiados por serem brancos?

Se alguém puder me ajudar… Quero aprender. Agradeço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s