Para refletir… Sobre leitura profunda e memória.

Do livro O Cérebro no mundo digital: os desafios da leitura na nossa era, de Maryanne Wolf.

“Preocupo-me com o fato de que estamos a um breve passo de deixar de reconhecer a beleza no que está escrito. Preocupo-me porque estamos ainda mais perto de jogar fora pensamentos complexos, quando não se encaixam na restrição, desastrosa para a memória, ao número de caracteres usados para transmiti-los. Ou quando estão enterrados na vigésima e última página menos lida de uma busca no Google. A cadeia digital que leva da proliferação da informação às doses ralas e visualmente sedutoras, consumidas diariamente por muitos de nós, precisará de mais do que da vigilância da sociedade para que a qualidade de nossa atenção e memória, a percepção da beleza e do reconhecimento da verdade e as complexas capacidades de tomada de decisão baseadas em todas elas não se atrofiem ao longo do caminho.

Quando a linguagem e o pensamento se atrofiam, quando a complexidade se esvai e tudo se torna cada vez mais o mesmo, corremos grandes riscos na política da sociedade – vindos quer de extremistas de organizações políticas ou religiosas ou, menos obviamente, de publicitários. Executada cruelmente ou reforçada sutilmente, a homogeneização nos grupos, nas sociedades ou na língua pode levar à eliminação de tudo que seja diferente ou que seja ‘outro’. A proteção da diversidade na sociedade humana é um dos princípios que foram incorporados em nossa Constituição e, muito antes disso, em nossa cerebrodiversidade genética. Tal como foi descrita por geneticistas, futurólogos e mais recentemente por Toni Morrison em seu livro The Origin of Others, a diversidade promove o avanço no desenvolvimento de nossa espécie, a qualidade de nossa vida em nosso planeta conectado, e mesmo nossa sobrevivência. Nesse contexto abrangente, precisamos trabalhar para proteger e preservar os usos requintados, amplos e não achatados da língua. Quando é alimentada, a linguagem humana proporciona o mais perfeito veículo para a criação de pensamentos não limitados, nunca antes imaginados, que por sua vez fundamentam avanços em nossa inteligência coletiva. O inverso é também verdadeiro, com implicações traiçoeiras para cada um de nós.” (Trecho da Carta Número 4, posição 2017 de 5197, do Kindle)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s