O preconceito nosso de cada dia

Cabelo ruim.

Cabelo Bom-Bril.

Até tenho amigo gay.

Tinha que ser mulher.

Isso é coisa de homem.

Só chegou aí porque deu pro chefe.

Aquela moreninha.

Coisa de favelado.

Filho meu não age como mulherzinha.

São tantas as frases que a gente escuta e fala sem perceber…

O preconceito se transmite nas pequenas falas, nos pequenos gestos. E assim nossos filhos vão crescendo e reproduzindo… Mas é possível ser diferente, criar de maneira diferente, viver de modo diferente. Não são nossas crenças ou vontades que mudam o mundo, mas nossos atos concretos.

Sempre falo que, acima de qualquer credo ou religião, o princípio maior tem de ser o AMOR, livre de preconceitos e de incompreensões.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s