Poeme-se todo dia, mesmo quando a vida está pesada

Poemas para mim são pílulas de felicidade, de sobrevivência, de liberdade, de paz, de fuga… Cada dia escolho a pílula que preciso tomar de duas formas distintas: ou sigo a leitura do livro de poemas que estou (re)lendo e fica em minha cabeceira ou pego aleatoriamente um livro em minha estante, abro e viajo no que me aparece aos olhos.

Ontem, depois de um dia que começou às 7h no trabalho e terminou às 21h chegando em casa com meu pai da quimioterapia, peguei o livro que estou relendo (nem sei mais quantas vezes o li) e gravei este vídeo, em pé, encostada numa porta em meu quarto, do jeito que estava depois do dia inteiro na rua.

Cansada do dia e sofrida com a doença do papai, misturei a pílula da fuga com a da alegria e me dei de presente este delicioso poema de Manoel de Barros, d’ O livro das ignorãças.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s