Um desabafo…

Não tenho medo da morte. Cogito até bem tranquilamente a possibilidade de abreviar a minha vida caso não tenha mais condições de manter uma sobrevida digna. Afinal, a medicina pode proporcionar benefícios, mas também prolonga sofrimentos e vidas que se teriam ido antes sem recursos e tecnologias.

Entretanto, ver o envelhecimento de meus pais e, principalmente, o sofrimento interior de minha mãe, uma mulher tão pequena em estatura, mas tão forte e grande em ações, me desestabiliza. Este fim de semana está sendo muito pesado emocionalmente. Meu pai, abatido e debilitado com o tratamento contra o câncer, não passou nada bem. E minha mãezinha, estrutura e fortaleza acima de todo cansaço, ficou desolada com o falecimento de minha tia, irmã dela.

O choro, a perda e a dor parecem tê-la envelhecido, da noite para o dia, mais dez anos. A imagem dela, quando acordou hoje cedo, disse-me tudo. Alguns dos que creem como eu na vida eterna podem até julgar como falta de fé. Eu, porém, leio claramente como saudade, quebra de um elo físico e medo do que está por vir, o desconhecido, aparentemente mais próximo dela devido à idade.

Nossos corpos são tão frágeis e, talvez por isso, tão expressivos; nossas vidas, tão passageiras… Perdemos tempo com coisas fúteis e irrisórias desta vida, que não se basta a si mesma.

Cada vez me convenço mais de que precisamos viver plenamente cada momento de nossas vidas, enquanto ela não se esvai…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s